Leitores

“Incentive-se a celebração sagrada da Palavra de Deus nas vigílias das festas mais solenes em algumas férias do advento e da quaresma, bem como aos domingos e dias santos, sobretudo naqueles lugares onde falta sacerdote”. (SC 35,4)

Na liturgia a palavra constitui aspecto elevado. A palavra na liturgia tem uma série de implicações. Com ela podemos: convocar a assembléia, acolher, receber, saudar, rezar, ler, aclamar, cantar, cumprimentar, admoestar, convidar, informar, notificar, avisar – cabe aqui dizer que tudo isso ocorre dentro dos ritos litúrgicos.

Praticamente não existe Celebração na liturgia cristã, onde não se proclame a Palavra de Deus.
A Palavra de Deus na liturgia é mais do que uma instrução ou informação: “é presença salvífica”.
Deus sempre fala a mente e ao coração daqueles que o procuram. A Palavra de Deus é viva, eficaz.

“Porque a Palavra de Deus é viva, eficaz, mais penetrante do que uma espada de dois gumes, e atinge até à divisão da alma e do corpo, das juntas e medulas, e discerne os pensamentos e intenções do coração” (Heb 4,12).

O leitor é um ministro da Palavra, está a serviço de Deus e da comunidade, deve estar consciente de que está emprestando a sua voz ao próprio Deus.
O leitor precisa se preparar; não consegue ler corretamente nas assembleias litúrgicas quem antes não treinou, não meditou, não penetrou no texto a ser proclamado.
Antes de proclamar o texto, o leitor deve fazer como Ezequiel: “Filho do homem, falou-me, come o rolo que aqui está, e, em seguida vai falar à casa de Israel. Abri a boca, e ele mo fez engolir. Filho do homem, falou-me, nutre o teu corpo, enche o teu estomago com o rolo que te dou. Então o comi, e era doce na boca, como o mel.” (Ez 3,1-4).
É preciso que o leitor saiba o texto com antecedência e procure aprofundar sua mensagem para poder dar vida e calor à leitura.
É importante que o leitor acredite e viva o que anuncia. Deus pede testemunhas vivas e o leitor deve ser uma dessas testemunhas.

“Porém, como invocarão aquele em quem não tem fé? E como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão falar, se não houver quem pregue? Logo, a fé provém da pregação e a pregação se exerce em razão da palavra de Cristo” (Rom 10,14.17).

O leitor, pleno de Deus, o comunica a todos. Se nos assemelhamos a Cristo, aqueles que nos verem ficarão pensando Nele.
O leitor não apenas lê, mas comunica.
A formação técnica do leitor também é muito importante. O leitor, ao proclamar a Palavra de Deus, deve fazê-lo de tal forma que todos os presentes da assembléia “ouçam e entendam”.
Ao se formar tecnicamente é bom que o leitor se lembre:
Não é aluno de teatro (ator) ou candidato a locutor de rádio ou televisão;
Ter o cuidado para não assumir atitude de pose;
De acatar com humildade as observações de seu formador ou da coordenação.